Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




In "O Primeiro Voo" #5

por aesperaparavoar, em 18.02.17

Fico novamente sozinha neste espaço fechado, apenas na companhia dos enfermeiros. Pergunto-lhes o que estão aqui a fazer mas fazem de conta que não me ouvem. Grito-lhes, mas mantêm-se serenos como se nada fosse. Os dois estabelecem um olhar cúmplice e agarram-me com força.

– Larguem-me! Estão a ouvir? Parem seus brutamontes! Deixem-me, o que é que estão a fazer?

Não me respondem. Apoderam-se de mim sem pedir qualquer autorização. Tentam imobilizar-me, mas eu debato-me contra eles e contesto o que me estão a fazer. Apesar de tudo, não consigo evitar. Eles introduzem a seringa no meu corpo. A partir daí paralisei. Aquela seringa veio acalmar-me as memórias. O líquido no seu interior penetrou no meu braço e trouxe-me a sensação de dormência, desarmei, a minha incapacidade ficou ainda mais exposta. Permito-me pousar a cabeça na almofada sem me manifestar mais. Fico calada, imóvel, na esperança que os sedativos me levem para longe desta dor gritante que se ocupou de mim. Possivelmente é assim que estas coisas funcionam, quando não conseguem acalmar-nos, tentam estagnar o nosso sofrimento.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:14



A blogger


Os meus livros


Pensamento da semana


Leituras do momento


O blogue no facebook


As nossas visitas



Algumas parcerias




Deixe-me a sua mensagem

Web Analytics

O que já está para trás

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D